Dicas de Saúde

Erros que (quase) todo mundo comete ao fazer agachamento e ANULAM os resultados

Erros que (quase) todo mundo comete ao fazer agachamento e ANULAM os resultados

Agachamento: o novo "queridinho" entre os exercícios da musculação é um poderoso construtor de glúteos e dos músculos das pernas como um todo. Feito corretamente, ele deixa o bumbum durinho e empinado, e as coxas tonificadas; mas, se executado da maneira errada, além de ser perda de tempo, já que os resultados serão insignificantes, é também um risco para a saúde. Veja os erros mais comuns que você pode cometer ao fazer o agachamento na lista feita pela revista Women’s Health dos Estados Unidos.

Isso normalmente acontece por falta de força muscular nas partes interna e externa da coxa. Esse tipo de movimento tira a tensão muscular das pernas e dos glúteos e a transfere para os ligamentos do joelho. Em longo prazo, isso acaba causando um desgaste, que leva a sérios problemas nas articulações dos joelhos, que são uma das mais importantes para o movimento dos membros inferiores. Quanto mais estáveis ficarem os joelhos durante o movimento, melhor será para a saúde dos ligamentos e para os músculos requisitados no agachamento.

2. Não agachar no mínimo 90 graus

O mínimo que se deve agachar para que os músculos do bumbum e da perna sejam acionados é um ângulo 90 graus – até que a parte posterior das coxas fique, ao menos, paralela ao chão. Caso contrário, o agachamento será basicamente inútil para o objetivo de tonificar glúteos e coxas. Olhe-se de perfil no espelho enquanto estiver fazendo para facilitar.

3. Curvar as costasAs costas inteiras devem ficar retinhas, tanto na descida quanto na subida. Como a maioria das mulheres não tem os músculos das costas fortalecidos, principalmente os da lombar, é natural que a região seja curvada no agachamento. Isso pode causar uma compressão das vértebras, que levam a lesões como a hérnia de disco, por exemplo.

4. Nunca mudar a variável no agachamentoFazer o agachamento clássico por muito tempo faz com que o exercício pare de ser eficaz. Mudar a posição dos pés, por exemplo, já é uma forma de alterar uma das variáveis de intensidade do movimento – o que já obriga o corpo a fazer um esforço diferente daquele ao qual já estava acostumado. Agachamento feito com os pés mais juntos, afastados numa largura menor que a dos ombros, \"pegam\" mais o bumbum. Os pés mais afastados fazem com que o movimento recrute mais a força da parte interna das pernas. Dá também para deixar a ponta dos pés voltada para fora, de forma a forçar mais a coxa, ou mesmo fazer o afundo, agachando com uma perna, enquanto a outra fica apoiada atrás do corpo.

5. Colocar pouco peso de acordo com sua capacidade físicaSeja com barras ou halteres, é importante não deixar o peso ficar \"leve\" ou o exercício muito fácil. Para a musculação dar resultado, o corpo precisa estar sempre no limite. As mulheres tendem a achar que vão ficar com as pernas muito grossas caso as forcem muito durante o agachamento, mas, se isso não for feito, a tonificação não aparece, menos calorias são queimadas e os músculos recrutados praticamente não são construídos, e a forma mais fácil de forçar os músculos é colocando peso no exercício. É importante não apoiar a carga sobre a cervical, se for feito o uso de uma barra, e sim na região dos trapézios. E tudo deve sempre ser feito com a supervisão de um profissional de educação física.

6. Acreditar que os joelhos não podem ultrapassar a ponta dos pés de jeito nenhumEssa é uma crença que, durante muito tempo, foi difundida na musculação: muita gente faz um esforço descomunal com o resto do corpo para não deixar a linha dos joelhos ultrapassar a dos pés. No entanto, esse esforço é muito mais prejudicial do que o próprio fato de os joelhos passarem um pouquinho dos pés. Segundo um estudo da Universidade de Memphis, quando os joelhos ultrapassam a linha dos pés, o stress nas articulações deles aumenta em 28%. Quando se faz muito esforço para que isso não ocorra, aumenta em 1000% a sobrecarga nos ossos e articulações do quadril como um todo. Ao invés de prestar atenção nos joelhos e na ponta do dedão, o melhor é focar em jogar o bumbum para trás, mas sem inclinar demais as costas para frente. Isso vai automaticamente fazer com que seus joelhos não sejam impulsionados para frente, mas sem sobrecarregar o quadril.

Por Marcia Garcia via www.vix.com

<< página anterior